rss

 

Gato Abissínio | Bunny Cat | Gato Coelho

  • Publicado: 16/09/2010 1:48
  • Expira: Este anúncio expirou

O Gato Abissínio pertence a uma das mais antigas Raças Felinas, embora, ainda nos dias de hoje a sua verdadeira origem se mantenha um mistério. Pensasse que o Gato Abissínio seja originário da Etiópia, antiga Abissínia, razão do seu nome. Infelizmente, ainda não se descobriram vestígios de Gatos Agoutis na Etiópia. No entanto, devido à sua parecença com o Gato Sagrado do Antigo Egipto, persiste o mito segundo o qual este Gato teria nascido nas margens do Nilo. Conta-se que Ramsés II teria pedido ao rei da Abissínia como oferta, um grupo de gatos que levou consigo para o Egipto. Para além disso, podem ser observados Gatos com uma pelagem muito idêntica à do Gato Abissínio em África, na Eurásia e na Ásia, nomeadamente, o Felis Libyca, Gato selvagem ou Gato com luvas de África, e o Felis chaus, Gato dos Pântanos ou da Selva. Contudo, a existência de Gatos com uma pelagem malhada na Índia e na Ásia, torna mais provável uma eventual origem asiática. O primeiro Gato Abissínio, um Gato com uma pelagem idêntica à de uma lebre, foi provavelmente trazido da Etiópia por Sir Robert Napier, tendo chegado à Grã-Bretanha em 1868. Baptizado com o nome Zula, foi exposto pela primeira vez em 1871 no Crystal Palace de Londres. A partir de 1874, passa a ser o tema de um estudo científico realizado por G. Stables. A raça reconhecida em Inglaterra desde 1882, foi fixada e apurada através de cruzamentos com o British Shorthair. O primeiro standard foi publicado em 1889 por H. Weir. O desenvolvimento da raça teve início nos Estados Unidos, antes de 1910. Foi reconhecida em 1917 pela C.F.A. Em 1926, foi criado o Abyssian Cat Club. Duas gatas, Aluna e Osira, nascidas em Viena, foram introduzidas em França em 1927. Nos anos 30, alguns criadores europeus concentraram-se na selecção do Gato Abissínio. Na sequência das duas Guerras Mundiais e da epidemia de leucemia felina, que ocorreu entre 1960 e 1970, a raça quase desapareceu. Actualmente, o Gato Abissínio faz parte das mais conhecidas e apreciadas raças de pêlo curto.

Características:

Cabeça: Cuneiforme, com contornos ligeiramente arredondados e sem faces planas. Frente abaulada. Nariz de tamanho médio, nunca recto, sem quebra. De perfil a cabeça apresenta uma curvatura suave. São permitidas faceiras nos machos adultos. Focinho não afilado, sem pinch. O queixo é firme e bem desenvolvido, arredondado, nem esbatido nem proeminente.

Orelhas: Grandes, largas na base com as extremidades ligeiramente arredondadas, moderadamente pontiagudas. Bastante espaçadas, posicionadas em estado de alerta, apresentam-se cobertas de pêlos curtos e acamados. É desejável a presença de uma marca nas costas da orelha (marca selvagem ou marca de polegar) bem como penachos nas extremidades.

Olhos: Grandes, amendoados, bastante espaçados. Realçados por um traço fino e escuro da cor da base, por sua vez orlado por uma coloração mais clara. Brilhantes, expressivos, com uma cor pura e intensa. Amarelo, verde ou âmbar.

Pescoço: Bastante comprido, porte elegante.

Corpo: De comprimento e corpulência média, flexível, firme e musculoso. Caixa torácica arredondada. Dorso ligeiramente arqueado.

Patas: Longas, rectas e finas, bastante musculadas. Pés pequenos, ovais e compactos. O Gato Abissínio parece manter-se na ponta dos pés.

Cauda: Bastante comprida, larga na base, estreitando progressivamente.

Pelagem: Densa, cerrada, elástica ao toque, acamada. Pêlo curto ou de comprimento médio, sobretudo na zona da coluna dorsal. Pelagem caracterizada por um ticking, ou seja, duas ou três faixas de cor, alternando o claro e o escuro em cada pêlo e com a extremidade escura, semelhante à da lebre ou do coelho. O ticking não existe nos pêlos das zonas em declive, tais como a garganta, o abdómen e a face interna das patas. De entre as cores reconhecidas, podemos citar: Lebre: (normal e mais tarde usual, em inglês ruddy), riscas negras ou castanho-escuro num fundo alperce intenso, couro do nariz vermelho tijolo, almofadinhas negras. Azul: riscas azul acinzentado forte num fundo bege intenso, couro do nariz rosa escuro, almofadinhas cinzentas. Sorrel: riscas chocolate num fundo alperce, couro do nariz cor de tijolo, almofadinhas castanho chocolate. Fawn: riscas cinzento rosado sobre um fundo bege, couro do nariz e almofadinhas rosa escuro. Vermelho: riscas de um tom ruivo alperce alaranjado, couro do nariz e almofadinhas cor-de-rosa. Silver: faixas tipo lebre, sorrel, azul ou fawn num fundo prateado. O ticking só aparece nos gatinhos a partir da sexta semana de vida.

Defeito: Cabeça comprida, tipo Gato Siamês ou redonda. Orelhas pequenas ou pontiagudas. Olhos redondos. Corpo demasiado maciço. Pelagem baça com textura aveludada. Desqualificação: um medalhão branco ou presença de branco em qualquer parte do corpo, com excepção das narinas, queixo e garganta.

Carácter: Gato muito activo, extrovertido, brincalhão, extraordinariamente curioso mas bastante equilibrado. Dotado de forte personalidade é bastante independente, embora sociável, afectuoso, muito meigo e sensível, necessitando de muita atenção. Detesta a solidão. A devoção que manifesta ao dono é exclusiva. É muito comunicativo, mas os seus miados são muito discretos. A impetuosidade da sua juventude vai-se atenuando com a idade. Este atleta e caçador necessita de exercício e portanto, de espaço. É aconselhável dispor de um jardim vedado. A sua manutenção é fácil. Bastará penteá-lo e escová-lo uma vez por semana. Durante a muda de pêlo é necessário eliminar regularmente os pêlos mortos. Para dar lustro ao pêlo deve utilizar-se uma camurça. Dois dias antes de uma exposição, se o animal colaborar, deve lavá-lo com um champô apropriado.

Observação: Cruzamentos autorizados com a raça Gato Somali.

5057 Visualizações, 3 até à data

  

Comentários

Comentários fechados.